Caderno de Resumos

Está disponível o Caderno de Resumos do VI Congresso Latino-Americano de Gênero e Religião. Para acessá-lo, clique aqui.

Anúncios

Teremos Feira de Economia Popular, Solidária e Agroecológica no VI Congresso de Gênero e Religião

Saboreando um delicioso café da manhã, preparado por grupos da Rede de Comércio Justo e Solidário iniciativa da Fundação Luterana de Diaconia, representante do Grupo de Pesquisa  Identidade da Faculdades EST, grupos de economia solidária convidados, estudantes e integrantes da equipe coordenadora do Programa de Gênero e Religião (PGR), iniciamos, na manhã do dia 04 de junho de 2019, aqui no Espaço Diversidade da Faculdades EST, um seminário de estudo e planejamento da Feira de Economia Popular, Solidária e Agroecológica que acontecerá no VI Congresso Latino-Americano de Gênero e Religião (PGR) da Faculdades EST.
Na abertura, a coordenadora do PGR, Profa. Marcia Blasi, agradeceu a presença e ressaltou a importância da Feira no VI Congresso e do trabalho em rede na atual conjuntura brasileira. Em seguida, a socióloga Marcela de Maria Sehn Fonseca, integrante da equipe do PGR apresentou um panorama geral do VI Congresso de Gênero e Religião, para que as participantes pudessem avaliar de que maneira poderiam contribuir e também tornar viável sua participação no evento.
No seminário, houve a reflexão sobre os temas gênero, religião e economia popular solidária tendo como referência os eixos do VI Congresso Latino-Americano de Gênero e Religião, Vulnerabilidade, Resistência e Justiça, relacionando com a agroecologia, coordenada pela teóloga Marli Brun, da assistente social Sueli Angelita da Silva (Associação dos Artesãos da Feitoria, da economista Angelique van Zeeland (Fundação Luterana de Diaconia).

Posteriormente, Solange Carmen Manica falou sobre a proposta da Rede Estadual de Trocas Solidárias. Rosana Kirsch, Isabel Dias da Silva e Agda Santos compartilharam as experiências da Feira Viva, de Novo Hamburgo e do Grupo Araçá de Consumo Responsável, do Vale do Sinos.
Da Rede de Comércio Justo e Solidário, estiveram representados e compartilharam
experiências os seguintes empreendimentos da Associação de Empreendimentos de Economia Solidária de São Leopoldo: Grupo Girassol (Eunice Teresinha Pedroso, Bernadete Martins); Artesanato (Sereni Terezinha Adam Kelsch); Grupo Pé por Pé (Cacilda Rodrigues Barcelos); Grupo Um só coração (Ana Maria Cardoso dos Santos); Associação dos Artesãos da Feitoria (Sueli Angelita da Silva); Grupo Mãos Dadas e da Rede de Trocas Solidárias (Mariza Karrer) e Geni Rosângela Dias do Grupo Mãos Unidas; Cooperativa Vida Saudável de Canoas (Leide Rosa Toniolo da Silva) e Associação das Bordadeiras Tecendo Memórias de Ivoti (Vera Regina Koch Schneider). Tânia da Silveira representou, no evento, o Grupo Identidade da Faculdades EST.
O Seminário foi concluído com o planejamento e encaminhamentos relacionados à Feira que acontecerá nos dias 14 a 17 de agosto de 2019 na Faculdades EST. A coordenação da Feira é composta por Rogério Aguiar e Angelique van Zeeland da Fundação Luterana de Diaconia; Sueli Angelita da Silva e Cacilda Rodrigues Barcelos da Rede de Comércio Justo e Solidário; e, Pa. Marli Brun, pelo Programa de Gênero e Religião.

 

 

Flor de Ipê: Um livro elaborado em Comunidade

Em noite de evangelização, mulheres da Comunidade Evangélica de Confissão Luterana de Picada 48 Baixa, Lindolfo Collor/RS, celebraram, com sua própria Comunidade e pessoas convidadas, o lançamento do livro “Flor de Ipê: Experiências, orações e bênçãos para consolo e fortalecimento de pessoas enlutadas”, do qual são autoras.

Ao contar suas histórias de luto, mostrar os quadros produzidos em memória de familiares ou pessoas amigas que faleceram, orar com as palavras das orações que elas mesmas ajudaram a fazer para o livro, as autoras se emocionaram e emocionaram as pessoas que estavam participando da celebração. Se emocionaram também ao ouvir depoimentos da Pastora Dra. Marcia Blasi da Faculdades EST, de Lauro Feldmann de Água Boa/MT e do Pastor Robson Neu (Editora Sinodal) sobre o quanto a leitura do livro tem transformado a vida de leitores e leitoras, servindo de inspiração e alento em situações de dor e sofrimento.

De Lindolfo Collor, participaram do Projeto Flor de Ipê e ajudaram a elaborar orações as senhoras Yolanda Gehm, Leni Exner, Haidi Spindler Bauermann, Clarice Bauermann Hofstäetter, Dulce Herzer, Hulda Behne, Isolmi Sander, Sylvia Lamb e também a Pastora Silvia Beatrice Genz, que atuava como pastora na Comunidade da IECLB no período de desenvolvimento do Projeto de Ação Comunitária Flor de Ipê (2016-2018), que resultou na produção do livro. O livro foi organizado pelas pastoras Marli Brun e Marcia Blasi do Programa de Gênero e Religião da Faculdades EST e pela pastora Silvia Beatrice Genz, atual pastora presidente da IECLB.

Na noite de celebração do lançamento do Livro Flor de Ipê (11 de maio de 2019), a Faculdades EST, por meio da coordenadora do Programa de Gênero e Religião, Pa. Marcia Blasi e da pastora Marli Brun, também entregou os certificados às participantes de Lindolfo Collor e também à estudante de Teologia Adriana Aline König, representando as estudantes que participaram do projeto e contribuíram na elaboração do livro.

Na parte final do encontro, o jovem Eriksson Mateus Tomaselli, que contribui na elaboração de bênçãos, saudou as autoras, falando sobre o quanto foi significativo para ele ler os depoimentos e orações e ajudar a escrever as bênçãos.

Em nome do Programa de Gênero e Religião da Faculdades EST, agradecemos a Comunidade Evangélica de Picada 48 Baixa e à Pastora Silvia Beatrice Genz pela parceria no desenvolvimento do Projeto Flor de Ipê, às participantes do Projeto Flor de Ipê pela parceria na reflexão sobre o luto e na elaboração do livro, à artesã Leni Exner e à arteterapeuta Andréa Cristina Baum Schneck pela assessoria ao grupo, ao Pastor Eduardo Stauder, à Pastora Rosane Zirbes e à Comunidade por todo apoio às autoras desta obra e ao Grupo Flor de Ipê. Gratidão à Editora Sinodal pela publicação da obra. Quem desejar poderá adquirir o livro na Editora Sinodal – (51) 3037-2366 (http://twixar.me/pnmn) ou com as próprias autoras.

Fotos: Lorene Behne e Andréa Cristina Baum Schneck. Texto: Pa. Marli Brun

Notícia Publicada no Portal Luteranos disponível em: http://www.luteranos.com.br/noticias/flor-de-ipe-um-livro-elaborado-em-comunidade

VII ENCONTRO INTER SINODAL DA MULHER PPL

No dia 28 de abril de 2019, em torno de 365 mulheres do estado do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul participaram do VII Encontro da Mulher da Pastoral Popular Luterana realizado em Tuparendi, Rio Grande do Sul. O encontro teve como tema Mulheres andando pela Bíblia “Juntando retalhos e construindo sua História”.

Na meditação inicial, a pastora Louraine Christmann (Lola), juntamente como o Grupo de Mulheres Ruah, apresentou o projeto Colcha de Retalhos, criado em parceria com a Pastora Marcia Blasi, atual coordenadora do Programa de Gênero e Religião da Faculdades EST.

Ao som de músicas, orações e poesias, levamos ao altar os retalhos que trouxemos, retalhos de nossa história, que unem mulheres de ontem e de hoje. Mulheres de fé que fazem a história da igreja e da sociedade.

A meditação ficou encarregada pela biblista Anna Maria Rizzante nos falou sobre o rosto de Deus revelado na história de mulheres da Bíblia como Agar, Ana, Maria, entre outras. Histórias de mulheres que foram protagonistas e ousaram decidir a respeito de suas ações sem a mediação de ninguém. Em seguida, Anna buscou dar um novo significado para aqueles retalhos depositados no altar: de pedaços de panos velhos e, muitas vezes, rasgados, passamos a enxergar partes de nossas vidas e das vidas de outras mulheres que fazem parte da nossa história.  Como ela mesmo diz: “somos feitas de retalhos: em cada retalho, uma vida, uma lição, um carinho, uma re-leitura, uma descoberta; dos rasgos, nascem novas costuras, das sobras descartadas, novos tecidos e roupas. Coragem de ousar e pensar, fazer o novo, o diferente, o que serve e alimenta a vida, todas as vidas”.

No momento do almoço, juntamente com pastor Robson Neu, editor chefe da Editora Sinodal, lançamos o livro “Bordando Memórias – Histórias de Mulheres do Movimento da Reforma”, organizado pela Pastora Marcia Blasi, Pastora Marli Brun e Wilhemina Kieckbusch, no qual estiveram presentes as autoras Taiana Luisa Wisch e Irene Schnefleitner. Também foi lançado o livro Flor de Ipê – Experiências, orações e bênçãos para consolo e fortalecimento de pessoas enlutadas, organizado pela Pastora Marli Brun, Pastora Marcia Blasi e pela Pastora Presidente Silvia Beatrice Genz. Contando ainda com a presença da estudante Vanessa Hoelscher que é uma das autoras do livro.

A celebração final foi coordenada pelo Programa de Gênero e Religião, pelo Núcleo Semeando Esperança da Faculdades EST e pela Coordenação de Gênero, Gerações e Etnias da IECLB, além de contar com o apoio e parceria das ministras e ministros presentes no evento.

Na celebração final, Pa. Marli Brun motivou as participantes a escrever em forma de poema, de música histórias de mulheres, encontradas na Bíblia.

Nossa caravana foi composta pelas seguintes pessoas:

Pa. Marli Brun – Programa de Gênero e Religião (PGR) da Faculdades EST

Taiana Luisa Wisch – PGR e Semeando Esperança – Núcleo da PPL na Faculdades EST

Pa. Carmen Siegle – Coordenação de Gênero Geração e Etnias da IECLB

Jéssica Kriese – Semeando Esperança – Núcleo da PPL na Faculdades EST

Mirian Bartz – Semeando Esperança – Núcleo da PPL na Faculdades EST

Vanessa Hoelscher – Semeando Esperança – Núcleo da PPL na Faculdades EST

Ana Luiza Geppert – Semeando Esperança – Núcleo da PPL na Faculdades EST

Cecília Boff da Paróquia da IECLB de Porto Alegre e Ilaine Neuhaus da Paróquia da IECLB  de Três de Maio.

Agradecemos à Pastora Cler Regina Schoulten, à Comunidade Bom Pastor de Tuparendi e à coordenação da PPL pela acolhida e por todo empenho na realização do evento que, no próximo ano, acontecerá em Erval Seco – RS.

Voltamos para nossas casas refletindo e nos questionando sobre quais retalhos estamos recolhendo e costurando em nossa colcha, sobre quais retalhos marcam nossa vida e nossa caminhada e sobre quais retalhos podemos oferecer para as outras pessoas em nossa comunidade, turma, movimentos, ruas e praças onde nos encontramos. Que possamos, cada vez mais, costurar em nossa trajetória a vida e a luta de outras mulheres que lutaram e continuam lutando por uma sociedade digna e justa para todas as pessoas.

Fotos: Cecília Boff, Ires Helfensteler  – Vídeo: Cecília Boff

 

 

 

 

Programa de Gênero e Religião lança livros no evento dos 120 anos da OASE

Nos dias 5, 6 e 7 de abril, a professora e pastora Marcia Blasi, a pastora Marli
Brun, acompanhadas das estudantes de Teologia Adriana König, Vanessa Regina
Hoelscher, Roseli Krohn e Samira Rossmann Ramlow e da mestranda Ketlin Laís
Schuchardt , representando o PGR – Programa de Gênero e Religião da Faculdades
EST, participaram da celebração dos 120 anos da OASE – Ordem Auxiliadora de
Senhoras Evangélicas, em Blumenau, Santa Catarina.
O evento reuniu em torno de 3.200 mulheres representando os 18 sínodos da
IECLB que se reuniram sob o tema “Tecendo solidariedade”, abordado nas
meditações, palestras e culto.
Um dos momentos marcantes da celebração foi o lançamento do livro
“Bordando Memórias: História de Mulheres no Movimento da Reforma” organizado
por Marli Brun, Marcia Blasi, pelo PGR e pela presidente da OASE Nacional,
Wilhelmina Kieckbusch.
Esta obra apresenta histórias de 18 mulheres que participaram do movimento
da Reforma, um desenho do rosto de cada uma delas e uma foto do desenho
bordado por uma pessoa de cada sínodo. A emoção tomou conta das mulheres ao
verem seus bordados emoldurados e publicados no livro. Na contracapa dele lemos:
Foram muitas e diversas as mãos que se uniram para a
realização deste trabalho: mãos que desenharam, mãos que
pesquisaram e escreveram, mãos que bordaram e outras que
uniram tudo neste livro. Nessa diversidade de dons e saberes,
se fez possível tecer uma teia de redes solidárias, resgatar
histórias, valorizar saberes e anunciar a beleza e o colorido
que o reino de Deus nos oferece.

Na ocasião também foi lançado o livro “Flor de Ipê: Experiências, orações e
bênçãos para consolo e fortalecimento de pessoas enlutadas” organizado por Marli
Brun, Marcia Blasi e pastora Silvia Beatrice Genz. Neste livro, mulheres
compartilham suas experiências de enfrentamento de luto e transformam seus
sentimentos em quadros, orações e bênçãos, oferecendo consolo e fortalecimento a
pessoas que estão vivendo o luto. Segundo as organizadoras:

a dor do luto passa, ora de modo mais devagar, ora mais
rápido; ora vai, ora volta, e em meio a tudo isso, a vida
ressurge, muitas vezes de forma surpreendente, como a
árvore de ipê, que no final do inverno se cobre de flores
amarelas. Na época mais fria do ano, a esperança ressurge. É
a natureza impedindo a morte de ser mais forte que a vida.

Agradecemos a diretoria da OASE Nacional, a coordenação da OASE nos
dezoito Sínodos, às mulheres que bordaram com dedicação e pelo empenho de
cada uma na produção do livro “Bordando Memórias”.
Agradecimentos especiais à família que nos acolheu em sua casa: Raquel,
Vilmar e Marlon Rautenberg.

Grupos de Trabalho aprovados para o VI Congresso Latino-Americano de Gênero e Religião

A coordenação do VI Congresso Latino-Americano de Gênero e Religião recebeu aproximadamente 20 propostas de Grupos de Trabalho. Em diálogo com proponentes e a partir do parecer do Núcleo de Pesquisa de Gênero, foram aprovados os GT abaixo listados. Cada GT organizará sua própria programação dentro dos horários disponíveis e receberá propostas de apresentação de trabalhos. As inscrições para trabalhos poderão ser feitas do dia 22 de abril de 2019 até o dia 15 de maio de 2019. Escolha o seu GT e venha construir o VI Congresso com a gente!

GT 1 – Mulheres Negras: resistências, feminismos e espaços sagrados que se (re)visitam

Coordenação: Dra. Eunice Maria Nazarethe Nonato (Univale/MG), Dra. Georgina Helena Lima Nunes (UFPel), Dra. Graziela Rinaldi da Rosa (FURG), Dra. Rosinalda C. da Silva Simoni (PUC Goiás), Ma.  Selenir Corrêa Gonçalves Kronbauer (Faculdades EST), Dra. Thais Alves Marinho (PUC Goiás)

Descrição: Este Grupo de Trabalho tem como objetivo fomentar a discussão acerca da emergência dos movimentos de mulheres negras no Brasil e nas diásporas africanas, abordando movimentos sociais organizados, práticas cotidianas, histórias formativas e religiosidades. A proposição sobre mulheres negras, interseccionalidades e religiosidades afro-descendentes, subjaz transcorrer a espaços e tempos de opressão, resistência e construção de epistemologias que desafiem formas eurocêntricas, patriarcais e coloniais de conhecimentos contidas na histórica relação entre saberes e poder. Busca-se problematizar também os diferentes feminismos, numa perspectiva latino-americana, considerando a luta e as histórias de vidas de mulheres de povos tradicionais.

GT 2 – Direitos Humanos das Mulheres: cumplicidade e resistência no enfrentamento das violências e na construção da justiça de gênero

Coordenação: Dra. Rosângela Angelin (URI), Dra. Joici Graciele Nielsson (UNIJUI), Dra. Edla Eggert (PUC/RS), Me. Rogério Aguiar (FLD)

Descrição: Por meio de estudos e metodologias de intervenção coletivas na busca pela superação das violências, esse grupo interdisciplinar visa apresentar experiências de diversos contextos rurais e urbanos. Durante os três períodos do evento, serão apresentados temas relacionados à luta por direitos das mulheres, combate às violações, violências de gênero, desconstrução das masculinidades tóxicas e propostas de ações na busca pela justiça de gênero. O caráter interdisciplinar do GT busca uma maior diversidade de abordagens, partilhas e diálogos com as mais diferentes áreas do conhecimento. As apresentações acontecerão na exposição interativa Nem Tao Doce Lar (FLD), por meio de duas modalidades de apresentação: a) Apresentação de experiências de trabalho e de pesquisas; b) Oficina teatral ou esquetes.

GT 3 – Aspectos Sociais sobre as relações de Gênero e Saúde

Coordenação: Dra. Thaís Janaina Wenczenovicz (UERGS), Me. Paulo Adroir Magalhães Martins (URI), Ma. Lídia Oliveira Magalhães (URI)

Descrição: O presente Grupo de Trabalho objetiva trazer à tona o debate sobre as sobre as relações de gênero no âmbito da saúde na contemporaneidade. Cabe ressaltar que abordar-se-á “saúde” no entendimento da Organização Mundial de Saúde, que consiste no “estado de completo bem-estar físico, mental e social, e não, simplesmente, a ausência de doenças ou enfermidades”. Assim, nota-se nas complexas relações humanas a presença de vulnerabilidades e violências principalmente no que tange aos corpos e sua saúde no ambiente social. O foco desse grupo envolve as temáticas de: Direitos Humanos, Feminismos, Saúde sexual e reprodutiva e Violência de Gênero.

GT 4 – Discurso político-religioso: gênero, religião e justiça social

Coordenação: Dr. Noli Bernardo Hahn (URI), Dra. Sandra Vidal Nogueira (UFFS), Dra. Anna Paula Bagetti Zeifert (UNIJUI), Ma. Bianca Strücker (UNIJUI), Me. Gabriel Maçalai (URI/FAL)

Descrição: Neste Grupo de Trabalho se objetiva discutir conexões entre gênero, religião, política e justiça social, especialmente acerca da laicidade, liberdade religiosa, direitos das mulheres, feminismos, direitos reprodutivos e sexuais, violência de gênero, insurgências e reconhecimentos de novas identidades sexuais e de gênero, democracia, cidadania, liberdade, igualdade, tolerância, acolhida, justiça social e direitos humanos. Especificamente, propõe-se o debate sobre estas temáticas em discursos político-religiosos e como acarretam tensões no processo de construção da laicidade e democracia brasileira quando utilizados para instrumentalizar o exercício de funções políticas como guardião da moralidade.

GT 5 – Cosmopolítica ecofeminista

Coordenação: Dra. Thayane Cazallas do Nascimento (IFRS-Campus Restinga), Dranda. Aline Araújo (Unisinos), Me. Luiz Felipe César Kingeski (Unisinos)

Descrição: O Grupo de Trabalho propõe um encontro de pensamentos e discussões sobre Ecofeminismo, Ecologia e políticas de ações e suas interfaces de (r)existência, como as que emanam sobre a existência de Pachamama. Uma cosmopolítica ecofeminista representa a multiplicidade dos modos particulares de viver, produzir e construir sobre óticas distintas, compreendendo como pensamento indispensável para se existir. O GT é um convite para o diálogo de trabalhos nestas linhas de pensamento que queiram somar e construir através da reflexão e na intersecção de um fazer da cosmopolítica ecofeminista e como busca para articular perspectivas e pensar estratégias nos campos das discussões de gênero, ecologia, religião, justiça e política.

GT 6 – Gênero e literatura sagrada

Coordenação: Dra. Ivoni Richter Reimer (PUC Goiás), Dr. Flávio Schmitt (Faculdades EST), Dra. Carolina Bezerra de Souza (Faculdades EST), Dranda. Stéfani Niewöhner (Faculdades EST)

Descrição: Os estudos da literatura sagrada recebem importantes contribuições epistemológicas, hermenêuticas e metodológicas, em especial de estudos de gênero e das hermenêuticas feministas de libertação, buscando a construção de relações justas. No contraponto, também cresce a interpretação fundamentalista que ampara a reprodução de estruturas de poder, gerando aumento de vulnerabilidades. Este grupo de trabalho busca reunir pesquisas e relatos de experiência que contemplem a conjunção gênero e literatura sagrada, nos eixos vulnerabilidade, resistência e justiça. Serão aceitos trabalhos que abordem o uso dos textos sagrados, que aprofundem ou renovem seu entendimento, pesquisas sobre seus conteúdos, metodologias, formação e história interpretativa.

GT 7 – Na cama com Marcella

Coordenação: Dra. Ana Claudia Figueroa (ICM), Dranda. Ana Ester Pádua Freire (PUC Minas), Dra. Genilma Boehler (UBL)

Descrição: O ano de 2019 marca os dez anos da partida da teóloga indecente Marcella Althaus-Reid que, por meio de sua Teologia Queer, criou espaços de resistência teológica alicerçados em uma perspectiva pós-colonial. Deitar na cama com Marcella permitirá ao GT aprofundar em narrativas que ressuscitem o pensamento althaus-reidiano. Marcella é o ponto de partida, ou quem sabe ponto G, para repensar a teologia por meio de corpos sexualizados, que vocalizam sujeitos teológicos não-hegemônicos. A intimidade da cama permitirá o envio de comunicações (in/des/con)formes, como performances, narrativas de experiências, registros audiovisuais ou textos acadêmicos. Espaço para per-versões e sub-versões, o GT está de portas, e pernas, abertas!

GT 8 – Arte feminista como um discurso de resistência

Coordenação: Dra. Nancy Cardoso (CPT), Mranda. Jéssica Kriese Duffeck (EST), Mranda. Marcela de Maria Sehn Fonseca (EST), Mranda. Sabrina Senger (EST), Ma. Angélica Tostes (UMESP)

Descrição: A produção, participação, contato e experiência cultural da arte acontecem de diferentes maneiras diante da particularidade e pluralidade dos corpos. A arte pode ser experimentada através de diversas expressões e está intimamente ligada às experiências sociais, políticas e religiosas. Dessa forma, perguntamo-nos pela presença e qual lugar ocupa a arte na relação entre as experiências religiosas e as resistências de gênero. A proposta desse GT é tanto reunir pessoas que pesquisam arte e gênero através de comunicações orais, pôster ou relato de experiência como criar espaço para que artistas mulheres apresentem e falem sobre suas produções e resistências.

GT 9 – Representações e representatividades de gênero na cultura pop e nas histórias em quadrinhos

Coordenação: Dr. Iuri Andréas Reblin (EST), Dranda. Larissa Tamborindeguy Becko (UNISINOS), Me. Guilherme Sfredo Miorando (UNILASALLE), Dranda. Natania Aparecida da Silva Nogueira (UNIVERSO)

Descrição: Discussão das representações e das representatividades de gênero e suas interseccionalidades dentro das manifestações da cultura pop e das histórias em quadrinhos. Além destes temas, interessam trabalhos que estabeleçam tensões entre a cultura mainstream e a cultura marginal no tocante ao gênero; trabalhos que investiguem a subversão de masculinidades e hegemonias de gênero; as apropriações feitas por fãs que tornam os produtos da cultura pop mais palatáveis para mulheres e pessoas queer; movimentos dentro e fora do establishment que apontem soluções para romper com o heteronormativismo e o machismo inerente a esse tipo de produção.

GT 10 – Re-imaginando masculinidades

Coordenação: Me. José Verdi (Universidad Andina Simón Bolívar), Me. Jonathán Suárez (Universidad Flacso-Ecuador), Me. Abiud Fonseca (Universidad Flacso-Ecuador)

­­­­­­­­­­­­­­­­GT 11 (Ensino Médio e Profissional) – Mulheres na História

Coordenação: Dra. Simone Kohlrausch (EST), Katlin Dickel (Dohms)

Descrição: Grupo de Trabalho voltado para estudantes do Ensino Médio e do Ensino Profissional com o intuito de abordar o papel das mulheres na História, oportunizando ao público uma reflexão mais ampla sobre ações de mulheres que contribuíram para derrubar “muros” e construir “pontes”. Podem ser apresentados painéis, relatos de experiências, teatros, artigos e ensaios oriundos de diversas áreas do conhecimento que contribuam para a discussão acerca das identidades de gênero construídas ao longo da história e a importância dessa abordagem para a conjuntura atual.

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑